Picking e packing: por que eles são tão importantes para os e-commerces?

Supporte Logística | |

O comércio eletrônico não para de crescer no Brasil. De acordo com um levantamento do Ebit/Nielsen, o e-commerce brasileiro cresceu 12,1% no primeiro semestre de 2018 com relação ao mesmo período do ano anterior, o que representa um aumento de R$ 23,6 bilhões no faturamento. Mas, apesar de estar em um momento promissor, esse mercado ainda traz grandes desafios, principalmente com relação à logística de distribuição dos produtos comprados pelos clientes.

De acordo com dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), 61% das lojas virtuais do país têm como principal problema o atraso nas entregas. Para se entender melhor a dimensão do problema, apenas nos seis primeiros meses de 2018, o site ReclameAQUI recebeu mais de 90 mil queixas sobre atraso na entrega, um aumento de 34% em relação ao mesmo período de 2017. Isso significa que é preciso – e muito – melhorar esse processo.

Em primeiro lugar, é necessário lembrar que o único momento em que o cliente entra em contato com uma empresa “fisicamente” no comércio virtual é quando recebe o produto em casa. Por isso, é tão importante surpreender para conquistar. Não basta mais cumprir prazos, pois isso já deixou de ser um diferencial há muito tempo, mas trabalhar para que a entrega seja feita o mais rápido possível além de, obviamente, estar conforme o pedido e garantir sua integridade no deslocamento.

Mas, para as lojas virtuais, fica a missão de tentar suprir todas essas necessidades e ainda ter controle dos custos da operação. Já pensou em conseguir evitar gastos desnecessários no estoque com aquelas mercadorias que não tem muita saída, fazer a separação e embalagem de forma ágil e ainda garantir que o produto chegue nas mãos do cliente em perfeito estado? Isso é possível com processos de picking e packing bem feitos, métodos tão importantes para quem tem um e-commerce. Conheça mais sobre eles e descubra como aplicá-los na sua empresa!

Picking e packing: o que são eles?

É extremamente importante diferenciar essas duas técnicas para poder organizar e instruir a equipe corretamente. Assim, todos trabalham em sinergia para que o produto chegue corretamente ao destino e o cliente fique satisfeito. Entenda melhor sobre cada uma delas.

Picking

Não adianta encontrar alternativas mais ágeis para entrega e, quando o produto chega nas mãos do cliente, ele tem a péssima surpresa de se deparar com algo que não era exatamente conforme o solicitado, certo? Justamente por isso o picking é tão importante para a fidelização e, consequentemente, o sucesso do negócio. Resumidamente, ele é o processo de separação e preparação dos pedidos, para que eles cheguem corretamente ao consumidor.

O picking pode acontecer de quatro formas diferentes, que irão depender muito das características específicas de cada empresa. Conheça mais sobre cada uma delas:

  • Picking discreto: nessa opção, uma pessoa é responsável por todo o processo de recolhimento de pedido, ou seja, o mesmo funcionário executa as tarefas envolvidas na separação do início ao fim, pegando sempre um produto por vez.
  • Picking por onda: semelhante ao anterior, porém nesse método cada operador é responsável por um tipo de produto a cada vez, sendo que há um intervalo de tempo determinado para isso. Ou seja, há um agendamento de certo número de pedidos para aquele turno, evitando que se acumulem na expedição.
  • Picking por zona: esse tipo de organização é feito quando o estoque é dividido por tipo de produto (SKU). Quando recebe um pedido, o operador pega os produtos relacionados na listagem que estão no seu campo de atuação. Se o pedido já estiver completo, pode ser despachado. Caso contrário, ele irá direcioná-lo para o funcionário responsável por outro SKU, que irá colocar os produtos faltantes.
  • Picking por lote: nesse método, um colaborador é responsável por coletar de uma só vez produtos de vários pedidos. Mas, antes de iniciar a separação, é necessário que uma quantidade predeterminada seja acumulada.

Todos esses métodos podem ser aplicados separadamente ou então como um “mix”, combinando opções diferentes.

Como melhorar o picking?

É possível fazer com que o processo seja melhor aproveitado com a adoção de algumas estratégias. Veja:

  1. Fique atento ao layout do galpão.
    Comece pensando em um layout eficiente para o armazém. Bloqueios que atrapalham o fluxo de pessoas e equipamentos dentro do espaço reduzem a produtividade. Lembre-se da sequência das atividades para otimizar as etapas, deixando o espaço de embalagem próximo da expedição, por exemplo, para evitar que os operadores tenham que percorrer uma distância grande entre uma área e outra.
  2. Facilite a identificação dos produtos.
    Permitir a visualização de onde está cada tipo de mercadoria é essencial para que os operadores não percam tempo procurando. Sinalize cada fileira de prateleiras, ordenando os produtos para que aqueles com maior giro fiquem com acesso fácil para os profissionais que fazem a separação.
  3. Conte com o apoio da tecnologia.
    Para ganhar ainda mais agilidade, hoje também já é bastante comum que empresas invistam na automatização dessa etapa, utilizando tecnologias que aumentam a precisão na separação dos pedidos e realizem tudo de forma mais rápida.

    Um exemplo disso é o picking-by-voice, em que a separação é feita por comando de voz, dispensando o uso de papéis ou tablets, aumentando a precisão e otimizando o tempo da operação. Tudo para garantir que o trabalho realizado após o recebimento e confirmação do pedido seja feito de forma rápida e o despacho para o cliente ainda mais rápido.

  4. Packing

    O packing, como o nome já revela, é o processo de embalagem das mercadorias. Apesar de parecer algo bem simples, ele é essencial para o sucesso da entrega. Nessa etapa é imprescindível ficar atento para que o produto receba uma caixa ou embrulho adequado para seu material, forma e tamanho, evitando qualquer avaria, o que geraria custos extras posteriores para a empresa com logística reversa, além de frustrar as expectativas do cliente.
    Não deixe de levar em conta questões importantes, como a durabilidade, funcionalidade, dimensões e custos de envio antes de escolher as embalagens que escolherá para a sua empresa.

    Transformando o packing em experiência

    Nessa etapa surge uma ótima oportunidade para surpreender os consumidores. Além de uma embalagem bem feita demonstrar carinho, você pode aproveitar essa chance de utilizar materiais personalizados, que chamem a atenção do cliente ao chegar. Não deixe o visual de lado, já que esse é um dos cartões de visita da sua empresa. Mas você pode ir ainda além disso!

    Uma marca de roupas ou sapatos, por exemplo, pode utilizar um aromatizador em spray dentro da caixa. Assim, a cada compra, o cliente vai esperar sentir aquele cheirinho característico ao abrir a embalagem, se tornando uma identidade da empresa.

    Outra ideia é aproveitar a oportunidade para enviar algum tipo um brinde e até pequenas amostras para que o público conheça outros produtos da marca. São pequenos detalhes que chamam a atenção.