Cross border: quais os principais desafios desse tipo de operação?

Supporte Logística | 16 de julho de 2019 |

Mesmo durante um período de economia desaquecida, as vendas pela internet não pararam de crescer. Apenas em 2018, de acordo com o Ebit|Nielsen, o comércio eletrônico faturou R$ 53,2 bilhões, um crescimento de 12% em relação ao ano anterior. Para este ano, a expectativa de expansão é de 15%, com vendas totais que ultrapassarão os R$ 61 bilhões. O que já é promissor quando falamos do mercado interno pode crescer ainda mais com uma possibilidade que vem ganhando destaque, tornando-se uma verdadeira tendência, o cross border.

Também conhecido por comércio transfronteiriço, nada mais é do que a exportação, onde as empresas brasileiras passam a oferecer seus produtos para consumidores de outros países. A ampliação do acesso à internet derrubou fronteiras geográficas, então essa é a oportunidade de estender os negócios também para o mercado externo. Entre os itens com maior volume de faturamento nessa categoria estão roupas, sapatos, acessórios e produtos de beleza. Ficou interessado em conhecer ainda mais sobre o cross border? Confira!

Desafios da operação cross border

Apesar de parecer algo simples de ser executado, é essencial lembrar que existem algumas diferenças entre essa modalidade e vendas internas. Antes de implantá-la na empresa, fique atento a alguns pontos cruciais para o sucesso dessa nova nova operação:

    • Analise o mercado
      O primeiro passo para a comercialização de qualquer item, dentro ou fora do Brasil, é verificar cuidadosamente o público, afinal é preciso saber se há uma necessidade e busca por ele. Aqui também é importante ponderar questões específicas da cultura local, hábitos de consumo, interesses, compatibilidade com o clima e outras particularidades que podem influenciar diretamente nas vendas. Escolher o produto certo é a chave para começar com o pé direito. Com todas essas informações em mãos, fica mais fácil também para determinar quais os países em que você deseja operar.

    • Precificação
      Quando se fala em exportação, outro passo que merece alerta é a questão dos custos envolvidos para o envio de mercadorias para o país de destino. Lembre-se que aqui não entra apenas o transporte, mas também tributos. Uma avaliação séria deve ser feita para confirmar a viabilidade desses gastos para a empresa. Se não sabe por onde começar, pode acessar um simulador disponível no site da Receita Federal. Ele ajuda a fazer uma estimativa do valor dos tributos e taxas administrativas para a exportação, utilizando como base o código da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), valor aduaneiro da mercadoria e também a moeda do país de destino.
    • Consulte as questões legais envolvidas nesse processo
      Cada local tem regras específicas para o recebimento de pacotes do exterior, por isso busque o máximo de informações sobre o assunto antes de iniciar as operações. Além disso, não deixe de consultar todos os impostos que podem ser cobrados, documentações específicas e outros itens que podem ser exigidos para evitar surpresas desagradáveis.
    • De olho no seu e-commerce
      Para começar, um sistema para recebimento adequado e seguro é fundamental para o comércio eletrônico. Lembre-se que esses mecanismos podem variar muito de lugar para lugar. Por isso, pesquise com atenção as opções disponíveis e preferências de seu mercado potencial antes de disponibilizar as formas de pagamento aos seus novos clientes. Outros itens que merecem muita atenção são a tradução de acordo com o idioma local e também a conversão de moedas para facilitar a vida de quem acessa sua loja virtual. Não deixe de checá-los!

E a logística cross border?

Você já viu que é fundamental aprimorar os processos internos da empresa ao adotar o cross border. Mas, outro ponto que pode demandar um estudo cauteloso é a logística. Para enviar mercadorias para o exterior, você deverá encontrar os parceiros certos para prestar o serviço de envio ao destino.

Lembre-se que, para o cliente, a responsabilidade sobre o frete não passa a ser da transportadora quando o material é entregue a ela, mas sua. Então, é preciso fechar contratos com empresas confiáveis, que consigam realmente cumprir os prazos combinados, não só no exterior como no deslocamento do material dentro mesmo do Brasil, aliando a qualidade nos serviços a custos viáveis para o seu negócio. Tudo isso com segurança, afinal o caminho é longo e os compradores esperam que ele chegue intacto em suas mãos.

E, se o envio da mercadoria pode parecer complexo, não esqueça que ainda pode haver a necessidade de uma logística reversa, que traz muitas outras complicações, como custos, direitos aduaneiros, documentações, etc. Tenha uma política bem pensada para garantir a confiabilidade de seus consumidores.